quinta-feira, 6 de agosto de 2009

O Elo dos Oráculos

Esvoaçavam esbeltas as mariposas em sua beleza,
Descansando transparentes asas que o vento embalava,
Adormecendo-as na anestesia serena do sossego,
Quando em chumbo transformadas pesaram a tristeza,
Caindo em si num voo picado que o chumbo denunciava,
Desfragmentando mil coragens num único medo,
Dando asas a negras asas de negro degredo,
Penumbrando a luz do eclipse que iluminava,
O jardim celeste agora de certeza apagada,
Onde quatro folhas caíram de um obscuro trevo,
Sobre palavras desmaiadas no sortilégio de um enredo!
*Adivinham-se mosquitos por cordas,
Comem-se gatos pardos por cio de lebres extintas,
Lêem-te mentiras para que por ti não mintas,
Reiteras a disciplina errante de engajadas hordas,
És o número redondo que em ti, de ti não recordas,
Cilha da albarda elaborada de tua premiada precinta!
*
Regressaram oráculos menores,
Ratos pelados em película aderente,
Não desses ratos de igual peçonha diferente,
Ratos e ratazanas de inspirações maiores,
Senhores das predições e outros folclores,
Rédea solta sem freio inteligente!
*
Quebram-se elos seguros de mau olhado,
Os mesmos elos onde os sonhos preguiçavam,
Reforçando a preguiça de um sono reforçado,
Sonolento despertar para olhar desconfiado,
Por olhos desviados dos olhos que amavam,
Amores fugidios que a eles se entregavam,
Falsa paixão ilusória de um engano envergonhado,
Escolhida no acaso das coincidências que aguardavam!
*
Sentados em dunas de nostalgia,
Entre mãos cúmplices que não se tocam,
Observam quarto minguante que na lágrima flutua,
Olhar silencioso de melancólica eupatia,
Descrentes na noite sem a luz mágica da lua,
Cores perdidas no arco-íris da utopia!
*
Regressaram mais santificados oráculos,
Predizendo fúnebres traições do passado,
Multiplicam-se ventosas de viscosos tentáculos,
Na clareza óbvia do óbvio gizado,
Letras engenhosas de fino traçado,
Palavras melodiosas de admiráveis cavernáculos!
*
Solda-se a frio o elo quebrado,
No chumbo que abateu a extinta lebre,
O mesmo chumbo derretido noutros obstáculos!
*
Afinal comandam os mosquitos,
Confundidas cordas de articulados homenzitos!

12 comentários:

TetÊ disse...

posso ser a primeirAA??? a comentar? Rss

TetÊ disse...

Krystal,

Nem todo submundo é composto apenas de peçonhas,
assim como,
nem em todo reinado
só há reis.

Se, ao dominarmos o animal irracional, acreditamos em lhe prender as rédeas,
ao racional, é inversamente proporcional.

E assim,
é feita a poesia.

Mas ao poeta o sentir é o
limite?! ilusão!

Há poetas que observam...
E na empatia,
se condicionam a vivenciar
a dor, ou a alegria do outro,
como se fosse sua.

Assim, os grandes poetas se formam.

Porque conseguem se expressar na
maior solidão de qualquer simples
mortal... Mortal?!!
Como??! Aos poetas lhes cabem deuses,
de todos os tipos e cores,
embora os neguem.

Mas não os renegam.

Sua sagacidade ainda é maior
que a fina linha tênue entre
destino e coincidência.

Assim, eu escolho,
entre sentir e sentir.

Adsorvendo...

Sem saída.

Epee disse...

KRYsTAl,


Não se solda o chumbo à solda fria,
frio,
nem fria a solda se faz.

Somos trevo,
somos sorte, só não somos celestiais, nem belas, nem
serenas.

O argumento mais próximo disso
é fantasia.

E na fantasia não reside a disciplina.
Não mais.



Abraço.


@

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Caraca! De um só fôlego! Adorei o seu poema! Não vou entrar no mérito do underground, pois admiro o seu poema como obra de arte que ele, realmente, é.
Vc está de parabéns! Gostei muito daqui. Há tempos, estava para visitá-la, pois vc foi gentilmente ao meu Blog, tornou-se minha seguidora e eu nem retribuí. Mas cá estou e me torno igualmente sua admiradora e seguidora.
Sempre escolho beijos.
Beijos, querida, e o meu carinho,
Renata
PS: Não que não tenha gostado do "substrato" do poema, pelo contrário, gostei muito, só não tenho condições de comentá-lo agora.
Até mais!

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Mil desculpas, achava que vc era mulher!
Beijos, e o meu carinho,
Renata
PS: Nem preciso dizer para não publicar nenhum dos meus comentários!

Graça disse...

Krystal,

Cada poema teu é uma obra de arte. Lê-se quase sem respirar, sentindo o raiar de vários movimentos literários, que eu tanto gosto. É uma amálgama muito interessante, na minha opinião. E adorei este verso "Desfragmentando mil coragens num único medo"... quer dizer, eu gostei de todos, só não queria repetir aqui o poema :).

Um beijo meu.

TetÊ disse...

KrystAl,


sobre criador e criatura,
sobre artistas e personagens...

Não existe diferença entre poeta
e cientista, os dois
se completam em sua solidão,
se entendem e se bastAm.

A vida que se passa fora
depende do que se passa dentro,
do poeta ou do cientista...

É a troca de vida sentida,
que agrada ou encanta,
mas que também,
desilude e desespera...

A solidão produz separação,
ao mesmo tempo explica,
satisfaz, realiza
e recompensA!!

Porque viver é um encontro solitário
e único,
de si para si mesmo,
de dentro de si em consigo mesmo.

Ao poeta e ao cientistA,



Abraço.

Marta disse...

Obrigada pela visita....
Nem sempre se domina o tempo..nem sempre se chega ao fim...
Brilhante.
Até já
Beijos e abraços
Marta

Nilson Barcelli disse...

Não me vou repetir e, por isso, digo "apenas" que a tua criatividade é magnífica.
E o poema, por via disso, é excelente.
Abraço.

Udi disse...

Uau! Que delícia ir deslizando pelos versos que fluem como a corretenza de um rio onde a paisagem à margem vai se transformando como num caleidoscópio a girar...


(adorei seu comentário sobre o "congênito")

Ava disse...

"Quebram-se elos seguros de mau olhado,
Os mesmos elos onde os sonhos preguiçavam,
Reforçando a preguiça de um sono reforçado,
Sonolento despertar para olhar desconfiado,
Por olhos desviados dos olhos que amavam,
Amores fugidios que a eles se entregavam,
Falsa paixão ilusória de um engano envergonhado,
Escolhida no acaso das coincidências que aguardavam!"

Claro, que sendo quem sou, ia retalhar seu poema e tirar a minha parte...rsrs

Essa é a que mergulhei sem máscara de oxigênio...rs

Claro que faz parte de um todo...
Um Todo maravilhoso!!!

Voce, com as palavras, se torna invencível...rsrsr


Beijos, por hoje, avassaladores!

Daniel Savio disse...

Você faz montagem da figura que ilustra com foto tua de uma forma escondida (uma rapaz de óculos escuro)...

Mas importa tanto assim adivinhar o futuro, principalmente um futuro tão nocivo?

Mas espero que o teu futuro seja melhor e mais iluminado (contudo, isto depende de ti)...

Fique com Deus, Krystal.
Um abraço.