domingo, 23 de agosto de 2009

O Hipócrita


Tudo na Vida,
Tem uma medida,
Pode ser grande, estreita ou até sem saída,
Pode ser ínfima Hipocrisia de Hipocrisia incompreendida!...
Tudo na Vida tem um peso,
Carga leve sobre teu insuportável poder indefeso,
Derrota esmagadora da qual sais ileso!...

A vida é uma razão fodida,
O fingimento ao qual te sentes preso!

Anjo sombrio, esse estupor,
Tinha uma admirável balança,
Não como a da Justiça em sua justa herança,

Num prato punha o Amor,
No outro a falsa esperança!...

Cravos entre coágulos oxidados,
Crescem no sofrimento do estigma,

Para o espírito pobre será sempre um enigma,
Para os hipócritas ricamente compensados,
Serão martelos cravando o paradigma,

Nos valores humanos crucificados,
Tão fartos de amargos cravos glorificados,

Sustentados por falsa cruz fidedigna!

Quem quer sentir uma chaga de Cristo crucificado?...

Bem no âmago do Amor desperdiçado,
Não desse Amor que arde no oportunismo viciado,

Daqueles que semeiam a ilusão,
Entre o raciocínio animal sem razão,

E o sexo premeditado,
Na promessa conjurada de triste condição!

Quem quer um Estigma de Cristo?...
Eu sou vossa sexta Chaga na qual resisto,
Restam as cinco da Crucificação:
Tórax, Punhos e Pés do Justo condenado,
Julgado pela Hipocrisia do Hipócrita revelado,
Na certeza de adivinhada confirmação!...
Ainda querem uma cruel Chaga do inocente castigado?!...
Ergam os olhos bem para dentro de vossa consciência,
E tenham a humildade de aceitar sua beneplácita clemência!

Anjo sombrio, esse estupor,
Tinha uma admirável balança,
Não como a da Justiça em sua justa herança,
Num prato punha o Amor,
No outro a falsa esperança!...
*
És esperança de teu próprio fruto imortal,
Esperança perdida de tua inacabada árvore genética,
Flor de laranjeira em virgem declaração Poética,

Coroa de pureza elaborada em teu ritual,
Vida coagulada escorrendo do Santo Graal,

Copiando formas de querer estético,
Ilusória imagem de teu sangue virginal!
*
Hipócrita, esse grande estupor,
Grava hipócritas métricas de desmedido sal,

Em lágrimas salgadas de fingido Amor!
*

6 comentários:

ROKERHUNTER disse...

Parece que abusou da sorte, amigo.
Diga adeus aos comentários, porque seu atrevimento foi ndemasiado grande para os HIPÓCRITAS.
Doulhe os meus parabéns e se fosse na aposta eu teria saído vencedor, lembra-se?
Obrigado por contribuir para algo de positivo!

Branca disse...

Palavras sombrias, mas é a pura verdade - um peso e uma medida pra tudo nessa vida...

Gostei.
Boa semana pra vc.

Fragmentos Intemporais disse...

Um silêncio pesado cobre as altas montanhas...
Petrificadas
Imóveis
Negras de pedras calcinadas

Uma tímida inquietude instalou-se na noite...
Deserta
Parada
Envolta em pequenos nadas

Porque me levas génio maligno...
A alma da terra
O tronco do arado
O espaço tão amplo agora limitado

Tu não sabes!
Mas sou filha de gentes de ermos
De gentes que tocam os céus e falam com as estrelas
E unidas pelo amor ao Univerno
Lavram a terra queimada...


As suas palavras inspiraram-me...
Logo pela manhã...

Um beijo matinal e obrigada pela visita!
É com enorme satisfação que o recebo no meu cantinho simples mas verdadeiro!

TetÊ disse...

Krystal,

sem medidas ao amor da dor
do poeta que se revela.

Com medidas ao homem que sonha e
faz da vida seu desafio e seu
destino.

Sem saídas
à hipocrisia que se mantém no auge do espetáculo que se encerra,
no aplauso calado da platéia que
observa atentamente um feliz
desfecho e
à esperança do amor consagrado
que se faz através do
sangue e do suor,
entre lágrimas e prazer.

Entre gritos surdos
e murmuros
intermináveis,
a voz...

Epee disse...

Krystal!!

O gosto salgado do amor fingido
tem em seu sabor desmedido,
a não medida justa em
desilusões e amargas decepções,
nem menos em
exaustivas tentativas de
felicidade.







@

Daniel Savio disse...

Mas será que o fingimento não seja real para aquele que vive assim?

Não é nós iludimos em tentar mudar a pessoa que vive assim?

Mas teve um fundo de moral, pois Cristo foi o mais o inocente, mas acabou pagando o pecado de todos seres humanos...

Mas bela poesia.

Fique com Deus, Krystal.
Um abraço.