segunda-feira, 4 de outubro de 2010

República



Adeus Pátrias excomungadas,
Adeus miseráveis Repúblicas sem Pão,
Adeus Povo despojado de opinião,
Adeus carrascos das igualdades espoliadas!

Um dia sereis esmagados,
Por Repúblicas e Reinados,
E as ditaduras e ditadores,
Lograrão ser recordados,
Como grandes vencedores,
Que derrotaram os traidores,
De seus povos desprezados!

Bem-vindos sejam os Patriotas,
À fogueira que o Povo há-de acender,
Bem-vindos, ó tumores agiotas,
Ao princípio de vossas derrotas,
Ao cirurgião plebeu que vos há-de remover,
E a toda a moléstia que não parou de crescer,
Na Alma do povo que vocês fizeram de idiotas,
Com os dados viciados de vossas batotas,
Os mesmos que no xadrez vos hão-de acolher!

O inferno espera pelo republicano,
Onde já arde o folclore do rei,
Arde o povinho que já não se revê no plano,
Que incendiou as Searas à margem da lei!;
Um dia sereis esmagados,
Por novas Repúblicas e Reinados,
Pelos que, por vós, foram ludibriados,
Traficantes de revoltas dadas à grei,
Oferta aos que voltao a ser enganados! 

Os cordeiros serão sempre devorados,
Pelos lobos da República e dos reinados!

3 comentários:

Graça disse...

"Adeus povo despojado de opinião"... como concordo contigo. Gostei desta rajada de críticas, em tom poético. E as cores da bandeira, quase sugerem a reflexão, embalada pelo vento [da res publicam].


Beijo.

[Tenho o meu blogue encerrado, há uns tempos, talvez volte um dia destes :)]

Errol Flyn disse...

E que tal a cor do dinheiro na bandeira Portuguesa.

epee disse...

Uma bandeira. E muitas bananas. Talvez uma feira.

E um cidadão português a escrever poemas com origem na poesia social.

"República" é um poema, regado ao humor DiVerso e nunca seria um poema de amor sem amor às questões sociais e políticas de seu país, no desejo de igualdade e de reformas sociais.

Qualquer comentário, qualquer interferência que se faça, pode significar um ruído e perturbar a suave sinfonia que se faz entre versos e rimas, estilo KrystalDiVerso.

Porque alguns gritos devem ser ouvidos em silêncio.

Abstenho-me de comentar. Nunca de admirar.





A "República" das Bananas no wallpaper é de uma beleza singular, DiVerso.