domingo, 5 de abril de 2009

Cristal de Abutre Amigo

Fui pérola azul de cristal protegida,
Em regaço de cristal concha de Amor,
Fui mimada em placenta cristal de vida,
Filha cristal de parto sem dor,
Tesouro terno, desmedido cristal valor,
Aval branco de cristal esperança desmedida,
Palavra de cristal em livro branco lida,
Sete pétalas de cristal soletradas numa flor!

Sou agora filha de dor sem parto,
Amante vertigem de acolhedor abismo,
Espiral hipnótica em vazio farto,
Fora de mim da despedida que parto,

Partindo de ti, cicatriz de meu egoísmo,
Fecundo teu mundo de meu doentio cinismo,
Sendo que não sou da quebra que parto!


Quisera eu ser também cristal adorada,
Esquecendo que do útero era eu útero também,
Experimentei o ciume pela vida idolatrada,
Que dentro de mim por ti fora mimada,
E do Amor de cristal à utilidade de mãe,
Foi um curto passo em oferta de desdém,
Oferecida a mim por mim desdenhada,
Passando a ser mulher que por aí passa,
Como quem passa que não passa por ninguém,
Calvário que meu olhar de cristall não disfarça,
Brilhando faíscas de cristal na vontade quebrada,
Puzzle de estilhaços em prévio futuro de desgraça!

Voou rasteiro meu Krystal sem suas plumas aladas,
Aprisionando minhas asas que não me deixam voar,
Sou tomada por tão iguais aves negras violadas,
Agoiros que agoiram coração de almas fracas magoadas,
Mantendo ferida aberta pelo prazer de magoar,
Paixão masoquista de negro sádico Amar!

Esta fopa que da cinzas voou,
É ínsula ausente que de mim se apartou,
Extinguido fogo deste frio que não sinto,
Tristeza sem fim da memória que se eivou,
Despeito meu de insulso absinto,
Verdade ancestral que em silêncio desminto,
Mentindo que não minto sobre o vazio que ficou!

Insular de mim, poleiro de teu corvo,
Circunvalação agoirenta de milhafres acolhedores,
Amigas Insulares onde ser feliz é estorvo,
Reconquista proibida dos abutres solitários,
Vendendo sofismas de falsos favores,
Oferecem a comiseração dos divórcios solidários,
Pintando arco-íris com fumos de negras cores!

Mas à Vida que tudo oferece,
É oferecida a ingratidão por quem a Vida não merece!

9 comentários:

sofia disse...

Da terra de Camões, não poderia receber poema mais lindo!
Obrigada pela visita e pelos versos que lá deixaste, como um fragmento de amor sem igual!

Na duvida, escolhí os dois...rs

Um beijo deveras avassalador!

Desnuda disse...

Bom dia,


estive me deliciando com os teus poemas... Me perdi na leitura....Adorei. Obrigada pela visita.

Ótima semana. Beijos

Avassaladora disse...

Meu comentário sai assinado por Sofia.
É que estou em viagem e usando o computador de outra pessoa.
Não saberia reescrever tudo que escrevi...
Então fica a tentativa de reparar meu erro...rs

Branca disse...

Belíssimos poemas...parabéns!

Ótima semana pra vc!

Avassaladora disse...

Agora sim, eis a Avassaladora...rs


Da terra de Camões, não poderia receber poema mais lindo!
Obrigada pela visita e pelos versos que lá deixastes, como um fragmento de amor sem igual!

Na duvida, escolhí os dois...rs

Um beijo deveras avassalador!

6 de Abril de 2009 11:39:00 WEST

Nilson Barcelli disse...

Gostei de ler o teu poema.
Boa semana e Páscoa Feliz.
Abraço.

PS: obrigado pela tua visita, volta sempre.

L. Santos disse...

Bem, está provado que a pior amiga de uma divorciada é outra divorciada. Por outro lado, também há que afirme que não há pior inimiga de uma mulher casada do que uma mulher abandonada. Mas há ainda quem vá mais longe e jure a pés juntos que quanto mais "boa" (fisicamente) for uma divorciada abandonada mais probalidades há de ela não valer nada. Para mim, elas precisam é de homens livres que as compreendam e dêem um pouco do que elas precisam... compreensão e paciência para as descobrir... lentamente.
As divorciadas ressabiadas são mais ou menos como tu dizes neste poema; abutres e ilhas desertas e sem sensibilidade para a entrega imediata ;)))....

1 abrç ó poeta

Daniel Savio disse...

Ser um cristal translucido e perfeito é muito dificil, mas com uma ajuda especial, pode chegar perto dessas carcteristicas...

E bela poesia.

Fique com Deus, menino.
Um abraço

Obscuramente disse...

Só me consegui interessar pelos ultimos dois versos. De resto, parabéns à autora, pelo menos parece escrito por uma mulher.

Fiquei confuso em relação ao Cristall, Cristal e Krystal... Vodka russa, nomenclatura mineral e um nome de Mulher... interessante.

Abraço, voltarei mais vezes para seguir os progressos.